quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Volta sem regressar


Numa caravana qualquer
Talvez de fronte ameaçadora
Ou apaziguada pela brisa
Uma e outra vez no belo desconhecido...

Que tal vingarmo-nos da rede sistemática?
Que nos agarra a nós: mosquinhas
A gritar por socorro, a implorar ser comidas
Celebrando a ataraxia dos mundos futuros?

Mesmo que não tenhamos nada a fazer
Não nos amedrontemos pelo culminar da nossa ida
Desde o pequeno ser que eramos
Até ao insignificante ser em que nos tornamos!

E já que te apercebeste
Quero a tua volta neste instante
Por cortinas de ludibriantes estados
Até que um simples toque resulte no teu abraço...

2 comentários:

L. Reyes disse...

Genial meu amigo, genial... =)

alice atras do espelho disse...

Dentro deste texto, perdemo-nos nas letras da sua composição, deixamos que as palavras se colem a pele...mesmo não sendo a minha pele original, senti-o e embarquei nesta viajem...de "ida sem volta". Tão longe no seu começo e tão perto no seu final.

Obrigado ZeroOne por este "bihete"

Cumprimentos do outro lado.